PTBR/Prabhupada 0475 - Nós Estremecemos Assim Que Ouvimos Que Temos Que Nos Tornar Servos de Deus

From Vanipedia
Jump to: navigation, search
Go-previous.png Página anterior - Video 0474
Próxima Página - Video 0476 Go-next.png

Nós Estremecemos Assim Que Ouvimos Que Temos Que Nos Tornar Servos de Deus
- Prabhupāda 0475


Lecture -- Seattle, October 7, 1968

Nós não podemos nos tornar o Supremo. Pelo menos, se não acharmos na literatura Védica autorizada, que uma entidade viva pode se tornar tão poderosa quanto Deus. Não. Isto não é possível. Deus é grande. Ele é sempre grande. Mesmo se você estiver liberado das garras materiais, ainda assim Ele é grande. Isto é... Dessa forma esse verso, govindam ādi-puruṣaṁ tam ahaṁ bhajāmi. Nossa relação perpétua com Deus é, Adorá-Lo, ou servi-Lo. Esse serviço é muito agradável. Não leve... Assim que falamos de serviço, podemos pensar que "Ó, nós estamos sofrendo aqui por adotar serviço." Assim como outra noite um menino estava questionando: "Por que devemos nos curvar?" Eu não sei se ele está presente aqui. O curvar para se render a alguém não é ruim, mas porque nós estamos em uma situação diferente, rendendo-se ao outro, é muito desconfortável. Assim como ninguém quer ser dependente de outra nação, ninguém quer ser dependente de outras pessoas. Todos querem ser independentes, porque esse mundo material é o reflexo pervertido do mundo espiritual. Mas no mundo espiritual, quanto mais você se rende, mais você é um servo, você é feliz. Você é feliz. Mas nós não temos tal entendimento no presente momento. Nós não temos idéia espiritual, não temos realização espiritual; portanto, nós estremecemos tão logo ouvimos que temos que nos tornar servo de Deus. Mas não há questão de estremecimento. É muito agradável se tornar servo de Deus. Você vê tantos reformadores, eles vieram, eles serviram a missão de Deus, e ainda assim eles são adorados. Então se tornar servo de Deus, servidor de Deus, não é uma coisa muito insignificante. É a coisa mais importante. Govindam ādi-puruṣaṁ tam ahaṁ bhajāmi. Mas não aceite isto. Primeiro de tudo tente entender. Portanto, o Vedānta-sūtra diz: athāto brahma jijñāsā. Tente entender o que é Brahman. (o microfone está fazendo ruídos) Por que esse som? Tente entender o que é Brahman e tente enteder sua relação. E então, quando você realmente se render, você vai sentir a sua vida bem-aventurada eterna, plena de conhecimento.

E isso é muito bem explicado nos Ensinamentos do Senhor Caitanya. No Bhagavad-gītā também, o mesmo ensinamento está lá, mas... Nós temos dois livros já publicados, um, Bhagavad-Gita Como Ele É; outro livro, Ensinamentos do Senhor Caitanya. Então o Bhagavad-gītā ensina o processo de rendição. Sarva-dharmān parityajya mām ekaṁ śaraṇaṁ vraja (BG 18.66). "Você se rende a Mim," o Senhor diz. E os ensinamentos do Senhor, ensinamentos de Caitanya Mahāprabhu, é como fazer rendição. Porque estamos acostumados, na nossa vida condicional presente a nos revoltar contra a rendição. Há tantas partes, tantas "ismos," e o princípio mais importante é esse: "Por que eu devo me render?" Essa é a principal doença. Seja qual for o partido político que há, assim como o partido Comunista... A revolta deles é contra a autoridade superior. Eles chamam de capitalistas. "Por que devemos..." Em toda a parte, a mesma coisa é: "Por que devo me render?" Mas nós temos que nos render. Essa é nossa posição constitucional. Se eu não me render a uma pessoa particular ou governo particular, ou a uma certa comunidade ou sociedade ou algo assim, mas no final Eu estou rendido. Eu estou rendido as leis da natureza. Não há independência. Eu tenho que me render. Quando há chamada das mãos cruéis da morte, imediatamente eu tenho que me render. Tantas coisas. Então nós devemos entender... Isso é brahma-jijñāsā, que "Por que há o processo de rendição?" Se eu não gosto de me render, então eu sou forçado a me render. No estado também, se eu não gosto de respeitar as leis do estado, o estado me obriga a me render pela força policial, pela força militar, por tantas coisas. Similarmente, eu não quero morrer, mas a morte me obriga a me render. Eu não quero me tornar um homem velho, mas a natureza me obriga a ficar velho. Eu não quero nenhuma doença, but a natureza me obriga a aceitar algum tipo de doença. Então esse processo de rendição está lá. Agora nós temos que entender porque isso é assim. Isto significa que minha posição constitucional é me render, mas a dificuldade presente é que eu estou me rendendo a pessoa errada. Então nós entendemos que eu devo me render ao Senhor Supremo, assim minha posição constitucional é revivida. Essa é minha liberdade.