PTBR/Prabhupada 0160 - Krishna está protestando

From Vanipedia
Jump to: navigation, search
Go-previous.png Página anterior - Video 0159
Próxima Página - Video 0161 Go-next.png

Krishna está protestando
- Prabhupāda 0160


Conversation at Airport -- October 26, 1973, Bombay

Assim, o nosso movimento da consciência de Kṛṣṇa é para educar as pessoas a compreender o valor da vida. O moderno sistema de educação e civilização está tão degradado que as pessoas se esqueceram do valor da vida. Geralmente, neste mundo material todos são esquecidos do valor da vida, mas a forma de vida humana é uma oportunidade para despertar a importância da vida. No Śrīmad-Bhāgavatam, afirma-se, parābhavas tāvad abodha-jāto yāvan na jijñāsata ātma-tattvam. Enquanto alguém não desperta para a consciência da auto-realização, a tola entidade viva, pouco importa o que ela esteja fazendo, tudo é fracasso para ela. Esta derrota está acontecendo nas espécies inferiores de vida porque eles não podem entender o que é o valor da vida. Sua consciência não é avançada. Mas, mesmo na forma de vida humana, se o mesmo fracasso continua, essa não é uma civilização muito boa. Essa é uma civilização quase animal. Āhāra-nidrā-bhaya-maithunaṁ ca samānyā etat paśubhir narāṇām. Se as pessoas estão simplesmente engajadas nos quatro princípios de necessidades corporais - comer, dormir, acasalar e defender-se - isso é visível na vida animal também, de modo que isso não é um grande avanço da civilização. Portanto, a tentativa do nosso movimento da consciência de Kṛṣṇa é a de educar as pessoas a realizar a responsabilidade da vida humana. Esta é a nossa civilização védica. O problema da vida não são as dificuldades de alguns anos de duração desta vida. O verdadeiro problema da vida é como resolver a repetição de nascimento, morte, velhice e doença.

Essa é a instrução no Bhagavad-gītā. Janma-mṛtyu-jarā-vyādhi-duḥkha-doṣānudarśanam (BG 13.9). As pessoas estão embaraçadas com tantos problemas da vida, mas o verdadeiro problema da vida é como parar o nascimento, a morte, a velhice e a doença. Então, as pessoas se tornaram insensíveis. Seus cérebros se tornaram tão embotados que eles não entendem o problema da vida. Há muito, muito tempo atrás, quando Viśvāmitra Muni viu Mahārāja Daśaratha, então Mahārāja Daśaratha perguntou a Viśvāmitra Muni, aihistaṁ yat taṁ punar janma jayaya: "Meu caro senhor, o seu esforço para tentar superar a morte, como está indo, bem? Há alguma interrupção?" Então esta é a nossa civilização védica, como superar o nascimento, a morte, a velhice e a doença. Mas, na época moderna, não existe tal informação, nem ninguém está interessado. Mesmo grandes, grandes professores, eles não sabem o que existe após a morte. Eles nem mesmo acreditam que há vida após a morte. Portanto, esta é uma civilização cega acontecendo. Estamos tentando fazer a nossa parte para educá-los a respeito de que o objetivo da vida, especialmente na forma de vida humana, é diferente das necessidades corporais de vida: comer, dormir, acasalar e defender-se. No Bhagavad-gītā também é dito, manuṣyāṇāṁ sahasreṣu kaścid yatati siddhaye: (BG 7.3) "Dentre muitos milhões de pessoas, uma pode tentar tornar-se bem sucedida em sua vida". Siddhaye, siddhi. Isto é siddhi, como superar nascimento, morte, velhice e doença. E manuṣyāṇāṁ sahasreṣu kaścid yatati siddhaye. O homem civilizado moderno é tão embotado, ele não sabe o que é siddhi. Eles pensam que "se eu conseguir algum dinheiro e um bangalô e um carro, isso é siddhi." Isso não é siddhi. Você pode obter durante alguns anos um bangalô muito agradável, um carro, uma família agradável. Mas a qualquer momento este arranjo será destruído e você terá que aceitar outro corpo. Isso você não sabe. E nem eles se importam em saber. Então eles se tornaram tão embotados, embora eles sejam muito orgulhosos da educação, do avanço da civilização. Mas estamos protestando. Estamos protestando. Não estou protestando. Kṛṣṇa está protestando.

na māṁ duṣkṛtino mūḍhāḥ
prapadyante narādhamāḥ
māyayāpahṛta-jñānā
āsuraṁ bhāvam āśritāḥ
(BG 7.15)

Esses patifes, os mais baixos da humanidade e sempre envolvido em atividades pecaminosas, essas pessoas não aceitam a consciência de Kṛṣṇa. "Não. Há tantos MAs educados, PhDs". Kṛṣṇa diz, māyayāpahṛta-jñānāḥ. "Aparentemente, eles são muito educados, mas o seu conhecimento real é levado por māyā". Āsuraṁ Bhavam āśritāḥ. Esta civilização ateísta é muito perigosa. As pessoas estão sofrendo por este motivo. Mas eles não são muito sérios. Por isso, eles foram abordados por Kṛṣṇa como mūḍhāḥ, patifes. Na māṁ duṣkṛtino mūḍhāḥ. Então, estamos tentando um pouco para fazer esses mūḍhas, civilização mūḍha, para vir para a luz da vida espiritual. Essa é a nossa humilde tentativa. Mas ele já está dito, manuṣyāṇāṁ sahasreṣu: (BG 7.3) "Dentre muitos milhões de pessoas, elas podem começar a praticar isso". Manuṣyāṇāṁ sahasreṣu kaścid yatati siddhaye. Mas isso não significa que vamos parar. Assim como em nossa escola, nosso tempo de universidade, O senhor Asutosh Mukherjee começou algum estudo superior, aulas de pós-graduação na universidade. Os estudantes eram um ou dois, mas ainda assim, a classe foi mantida à custa de muitos milhares de rúpias, sem considerar que havia apenas um aluno ou dois. Da mesma forma, este movimento da consciência de Kṛṣṇa deve continuar. Não importa, as pessoas tolas, elas não entendem ou não vêm a ele. Nós temos que fazer a nossa propaganda. Muito obrigado.